O clã da Espada e a Guerra dos Sete Anos

Olá pessoal! Que a Luz ilumine nossa jornada!

Hoje vamos falar um pouco mais de um dos mais interessantes Clãs de Erys: O clã das Espadas.

Como foi mencionado no Capítulo IV, existem doze clãs governando grande parte de Erys. São eles: Torre, Fênix, Dragão Marinho, Espadas, Lua, Anjo (esses são os Sete Clãs Iniciais), Ninfa, Harpa, Dragão Alado, Árvore e Harpia. Cada um deles têm suas particularidades. Hoje vamos conhecer um pouco mais sobre o clã das Espadas.

Bem, os descendentes da Espada governam toda a extensão do vale de Kàrv, desde as montanhas de Kàrv até o Rio Vyz Azul, que delimita a fronteira entre as terras da Espada e da Ninfa. Num passado não tão distante (cerca de quatrocentos anos) os dois clãs estavam em guerra e isso quase destruiu a descendência do clã da Ninfa. A guerra durou sete anos, por isso ficou conhecida como a Guerra dos Sete Anos. Na verdade, foi apenas um período de tensão, com mais ameaças do que batalhas propriamente ditas. Uma espécie de guerra fria. Mas não tão fria assim, visto que houve duas grandes batalhas nesse período. A última, em particular, realmente quase exterminou o clã da Ninfa e eles tiveram de recomeçar do zero, quando a paz foi selada. Foi nesse período que, quando reconstruíram a cidade, o novo governante mandou construir os Jardins de Yzys, em honra à Deusa Ninfa da Caça.

Mas enfim, estamos aqui para falar do clã da Espada. O motivo pelo qual a guerra foi vencida por eles é simples. A nome da diz tudo, afinal: eles são exímios guerreiros. Vivem da guerra e da conquista. Num passado ainda mais distante, a mil e duzentos anos, Lekan, o Conquistador, subjugou todo o lado Leste do continente Niith (o continente onde se passa a história) e a parte sudoeste do continente sob suas espadas. O grande Império Keshan, como ficou conhecido, durou por quase trezentos anos e conquistou ainda mais terras, subjugando quase todo do continente Niith, antes que desmoronasse sob guerras civis, revoluções e invasões inimigas. Só para deixar claro, Keshan era o sobrenome da família real de Kàrv. Mas o fato é que os descendentes da Espada não estavam de brincadeira. Também por isso, até hoje o idioma karviniano é o idioma falado nas maioria das terras do lado leste de Niith.

E então veio a Guerra dos Sete Anos. O Rei de Vyzar resolveu simplesmente dar uma de conquistador também e decidiu começar por Kàrv. Houve uma batalha, e o Rei fora morto. O seguinte, seu filho, deixou de lado a coisa, mas secretamente estava convocando exército de mercenários para um novo ataque e enviando espiões para Kàrv. O Rei de Kàrv, é claro, descobriu isso eventualmente. No sétimo ano depois da primeira batalha, os dois exércitos marcharam um contra o outro, mas a mercenários não foram páreos para os muito bem preparados soldados de Kàrv, que desde muito cedo passam por um rígido treinamento militar, similar ao que acontecia na cidade-estado de Esparta, na Grécia Antiga.

Mas o Rei de Kàrv morrera em batalha, a despeito de sua vitória. Depois da guerra, a Rainha Yvyni, sua esposa, selou um tratado de paz com Vyzar. E não apenas isso. Ela detestava guerras e era muito voltada para as artes. Então ela deu um golpe de Estado, aproveitando-se da menoridade de seu filho e herdeiro do trono, e assumiu a poder de Kàrv. E em seguida, iniciou uma grande revolução cultural, criando escolas, bibliotecas, museus, etc. Incentivou a arte e cultura. Nos anos e reinados seguintes, Kárv tornou-se um grande centro cultural. Mas é claro, jamais abandonara completamente suas raízes bélicas.

Há duzentos anos, o Rei na época criou a Companhia dos Sombras Vermelhas, uma companhia de mercenários bem preparados militarmente, para o caso de alguma eventualidade. A Companhia foi crescendo ao longo dos anos e, atualmente, é a maior companhia de mercenários do continente Niith, prontos a qualquer eventualidade.

O tratado de paz assinado pela Rainha Yvyni e o Rei de Vyzar durava apenas duzentos anos. Depois disse precisava ser renovado, mas ninguém o fez. Não houve nenhuma eventualidade por causa disso, mas com o passar dos anos os Conselho de Vyzar passou a desconfiar das intenções de Kàrv. Seis anos antes do início da história do livro, um novo tratado de paz foi assinado, reafirmando a paz. Mais ainda, os dois reinos não apenas estavam em paz, como agora eram aliados. O tratado foi confirmado com o casamento de Lorde Mikkah, irmão do atual Rei, Mytros Keshan, com Lady Dienny, prima de um dos Conselheiros.

Os descendentes da Espada entram na história do livro quando a Princesa Meiryn vem a Vyzar para apreciar o Grande Festival da Colheita. A nossa história começa daí.

Fisicamente, os descendentes da Espada lembram orientais, japoneses ou chineses. Têm geralmente baixa estatura, cabelos negros, olhos negros e apertados e pele alva.

Espero que tenham gostando. Comentem. Até mais!

Princesa Meiryn Keshan, de Kàrv

Princesa Meiryn Keshan, de Kàrv | Crédito da imagem: Chinese-Girl-Painting- by PrincessPinkRox (em Deviantart)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s